terça-feira, 12 de maio de 2009

Neurônios Espelhos

O que pensar de neurônios espelhos?





Para nós fisioterapeutas, parece mais uma coisa distante, de algum cientista louco ....
Mas por ai na net que achei um estudo realizado por 4 alemães, 2 americanos e 1 italiano, bastante interessante realizado com pacientes vítimas de acidente vascular encefálico (AVE).
Um estudo foi feito com um grupo controle e outro experimental.
o grupo controle realizava apenas a terapia por meio de atividades com objetos complexos utilizando o membro superior acometido
, já o grupo experimental, além desse exercício os indivíduos observavam concomitante a terapia um vídeo gravado, contendo os exercícios realizados pelos mesmos, e logo após a visualização do vídeo voltavam a realizar tal atividade.
Os pesquisadores obsevaram então a área ativada durante o exercício através da ressonânicia magnética funcional, bem como aplicação de dois questionários de atividades funcionais, antes e após o protocolo de tratamento.
Verificaram então que ambos os grupos tiveram melhora significativa do quadro funcional, e uma maior área de ativação cerebral, entretanto indivíduos que utilizaram o recurso visual tiveram uma melhora significativa em relação ao grupo controle, concluindo que a visualização da atividade auxilia eficientemente na reabilitação de um paciente com AVE, fazendo um recrutamento maior da área cerebral motora.
A explicação fisiológica para tal situação é que durante a visualização das atividades o cérebro, mesmo que inconscientemente, identifica os movimentos defeituosos e possui a maior possibilidade de realizar a correção durante tal atividade. A estimulação de uma rede neuronal capaz de visualizar tal situação, os NEURÔNIOS ESPELHOS, possuem a capacidade de ver e realizar de modo mais correto a atividade.







Então um método de aplicação clínica de certa forma barato, simples, bastante eficaz e comprovado cientificamente com um estudo maravilhoso desse.
Basta dispormos de uma filmagem e um DVD para o paciente visualizar diariamente suas atividades funcionais e assim poder auxiliar no tratamento fisioterapêutico.
Mãos a obra!

ERTELT, Denis et. al. Action observation has a positive impact on rehabilitation of
motor deficits after stroke. NeuroImage. 36, T164–T173: 2007.




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 comentários:

  1. Me lembou uma palestra que assistimos no congresso internacional: Imaginar os movimentos ajuda a recuperá-los? mesmo se não tivermos os recurssos de vídeo devemos falar para o paciente o movimento realizado, mesmo o passivo. Mas a idéia do DVD eu gostei..

    ResponderExcluir
  2. Venício, Parabéns pelo tema escolhido. Realmente um assunto interessantíssimo. Complementando o comentário acima, há alguns anos atrás assisti uma palestra de um professor de medicina da UFRJ que defendia a idéia de que todos os alunos do curso de medicina deveriam acompanhar o atendimento de pacientes desde o primeiro período, independente de term tido as matérias básicas. Entre os argumentos que ele utilizava estava a dos neurônios espelho. Ou seja: o aluno efetivamente é capaz de aprimorar o seu desempenho motor ao assistir um profissional experiente realizando exames físicos e manobras semiológicas.
    Sem a menor sombra de dúvidas este raciocínio pode ser extendido aos alunos de fisioterapia, não só no aprimoramento da relação terapeuta-paciente, mas principalmente se pensarmos em técnicas manuais de tratamento, como o PNF, Maitland etc...
    Cordialmente
    Humberto

    ResponderExcluir
  3. Olá Venicio, òtima postagem...Recentemente escrevi algo sobre a movimentação passiva e representação cortical...
    A terapia de contenção induzida, somada a movimentação passiva e ativo-assistida, juntamente com a ativação de neurônios espelhos pode acelerar e otimizar a recuperação funcional desse segmento tão difil de recuperar...Omembro superior...Grande abraço

    ResponderExcluir
  4. Estou feliz em saber que tem alguem que se iteresse por esta area, ainda tem muito que estudar, também sou apaixonado pela reabilitaçao funcional de pacientes que foram acometidos por AVE, pois minha mae teve um, fiz isso sim após ver uma reportagem em uma tv britanica, mas para realizar com maior perfeiçao a área deve ser estimulada com um campo eletromagnético, estou realizando já meu trabalho futuro de TCC nesta área, sou aluno do 5º periodo fisioterapia - UNP Natal RN - juliergui@hotmail.com - grande abraço!

    ResponderExcluir